terça-feira, 15 de outubro de 2013

Feliz aniversário Nietzsche!




Libriano genial ele se tornou um dos maiores filósofos da humanidade. Aos 45 anos teve sua primeira crise de loucura e nunca mais voltou à "normalidade".  Nietzsche foi  um caso de "possessão arquetípica". Ou segundo a psicologia junguiana teria sido tomado, arrebatado por um complexo.  Ele incorporou seu mito interior e nunca mais se viu livre dele, ora Cristo, ora Dionísio (Bacco). Mas ele era ateu! Como dizer que Deus morreu e em seguida incorporar a história do próprio salvador? Ele inclusive assinava cartas como Jesus. Num de seus surtos pelas ruas da cidade viu a cena de um cavalo sendo mal tratado e foi correndo abraçá-lo. Dizem as más línguas que apesar de ser regido pela Vênus, a deusa da beleza e do amor, Nietzche era um homem muito feio, baixinho e tinha um péssimo hálito. Ele era machista por  que tinha levado um fora de Lou Salomé ou o contrário? Um milhão de questões para pensar...

Friedrich Wilhelm Nietzsche em 15 de outubro de 1844. Seus pais era luteranos e os avós eram pastores protestantes. Quando jovem Nietzsche pensou em ser pastor, mas rejeitou a carreira religiosa na juventude à partir de seu contato com a filosofia. Entre 1864-1865 estudou filologia clássica e teologia evangélica na Universidade de Bonn. Mais tarde foi para a Universidade de Leipzig por causa da transferência do professor Friedrich Wilhelm Ritschl (figura paterna para Nietzsche).
Neste período Nietzsche se debruçou sobre a obra de Schopenhauer. Aluno brilhante, de sólida formação clássica, Nietzsche se tornou professor universitário aos 24 anos de idade, adotando o a nacionalidade suíça. Entre o pensamento grego antigo tinha preferência pelos Pré-socráticos como Heráclito e Empédocles. Em 1870, comprometeu-se como voluntário (médico) na Guerra franco-prussiana, experiência da violência, dor e sofrimento que o deixou profundamente abalado. Em 1879 abandonou a sala de aula porque sua voz se tornou inaudível. Em busca de um clima favorável para sua saúde  passou por VenezaGênovaTurimNiceSils-Maria. Em 1882, encontrou Paul Rée e Lou Andreas-Salomé, a quem pediu em casamento.
Ela recusou e no mesmo ano, começou a escrever o Assim Falou Zaratustra. Este período seria para ele uma fase muito produtiva, mas que terminaria de forma brutal em 3 de Janeiro de 1889 com uma "crise de loucura" que durou até a sua morte. O filósofo passou a ser cuidado por sua mãe e irmã. No início deste período, Nietzsche encarnou na vida real os arquétipos de Dionísio e Cristo, expressas em cartas num primeiro momento e posteriormente entrando num estado de silêncio até a sua morte. Após sua morte, sua irmã, Elisabeth Förster-Nietzsche e o amigo Peter Gast fizeram uma coletânea de fragmentos póstumos: "Vontade de Poder". Durante toda a vida falou do insucesso de sua literatura, afirmando que no futuro os leitores estariam preparados para compreender a sua obra. O sucesso de fato chegou em 1888 quando um professor dinamarquês leu a sua obra Assim Falou Zaratustra e a difundiu. Nietzsche escrevia mesmo em crises nervosas ou sob efeito de drogas, uma vez que havia estudado biologia e tentava descobrir uma cura para sua doença. Para alguns amigos seletos ele enviou "Cartas da loucura”, assinadas como "Dionísio". A doença mental de Nietzsche foi inicialmente diagnosticada como Sífilis terciária. Estudiosos afirmam que sua filosofia pudesse tê-lo enlouquecido.
A  religiões ocidentais e a moral judaico-cristã foram temas comuns na obra de Nietzsche. Polêmico e criticado o filósofo causava confusões devido aos conceitos de realidade e verdade. Ele considerava o cristianismo e o budismo como duas religiões decadentes. O budismo, para Nietzsche, "é cem vezes mais realista que o cristianismo". Obviamente ele era ateu. Nietzsche quis ser o "desmascarador" de todos os preconceitos e ilusões humanas, o que olha sem medo o que se esconde por trás de valores universalmente aceitos, por trás das grandes e pequenas verdades e ideais. Para ele a religião e a política não são nada mais que máscaras que escondem uma realidade inquietante e ameaçadora.  Nietzsche criticou essa moral existente entre indivíduos inferiores, das classes subalternas e escravas contra a classe superior e aristocrática. Para ele a vida é desejo de poder, domínio ou potência e as máscaras tornam a vida mais suportável, ao mesmo tempo em que a deformam, mortificam e destroem. Não existe vida mediana, segundo Nietzsche. Para se salvar é preciso arrancar as máscaras e reconhecê-la como são. E somente a arte pode transfigurar a desordem do mundo em beleza e fazer aceitável tudo aquilo que há de problemático e terrível na vida.

Para Nietzsche, a liberdade não é mais que a aceitação consciente do destino. Seu ideal era o homem livre de qualquer vínculo, senhor de si mesmo, o homem desprezador de qualquer verdade estabelecida e estar apto para se exprimir a vida, em todos os seus atos. A liberdade de Nietzsche está entre a aceitação consciente de um objetivo moral superior e a matéria. Portanto, a realidade está na escolha consciente entre a moral superior (instinto, vontade do coração) e a moral racional (somatório de valores criados pelo homem). O que reside não nas palavras, mas nos sentimentos  presentes na música e no amor. Nietzsche procura uma forma de pensar  mais libertária, livrando se do ressentimento e da culpa. A única e verdadeira realidade sem máscaras para Nietzsche é a vivência do instante. Para ele  democracia, socialismo, igualitarismo, emancipação feminina era sinônimo da decadência do "tipo homem".

Seus pensamentos eram expressos em sentenças breves e algumas ficaram muito conhecidas:


"Deus está morto."
"Há homens que já nascem póstumos."
"O Evangelho morreu na cruz."
"O cristianismo foi, até o momento, a maior desgraça da humanidade, por ter desprezado o Corpo."
"A fé é querer ignorar tudo aquilo que é verdade."
"As convicções são cárceres."
"Até os mais corajosos raramente têm a coragem para aquilo que realmente sabem."
"Sem música, a vida seria um erro."
"E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música." 
"Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal."
"Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura."
"Em qualquer lugar onde encontro uma criatura viva, encontro desejo de poder."
"Torna-te quem tu és!"
"Cada pessoa tem que escolher quanta verdade consegue suportar"
"Da escola de guerra da vida: o que não me mata, torna-me mais forte."
"Um político divide os seres humanos em duas classes: instrumentos e inimigos."
"Será o Homem um erro de Deus, ou Deus um erro dos Homens?"


Organização de texto: Aline Maccari

*Os posts são publicados diariamente no site da Astróloga e no Facebook. Se você gostou compartilhe sem se esquecer de preservar fotos e vídeos propositalmente relacionados ao conteúdo, além de citar a fonte: A Astróloga.com.br

Nenhum comentário :

Postar um comentário