quinta-feira, 11 de abril de 2013

Enlouquecendo com o trabalho

Como matar o meu chefe, com Jason Bateman e Kevin Spacey
Plutão, planeta maléfico e destruidor caminha sobre o signo de Capricórnio. Um trânsito que começou em 2008 e se estenderá até 2024. Como Plutão é o astro mais distante do Sol sua passagem é lenta e não por isso menos impactante, pelo contrário. Na mitologia ele é conhecido por Hades, o deus grego dos infernos, da morte, do submundo. Podemos sentir os efeitos da passagem de Plutão por Capricórnio de duas maneiras: pessoal e coletiva, ambas devastadoras. Ninguém sai ileso de um movimento tão profundo e transformador. No signo de Capricórnio, o terceiro signo do elemento Terra, Plutão revira as estruturas de poder, toma dinheiro, sabota economias, desestrutura organizações financeiras, atenta diabolicamente a todos com uma ambição desmedida, até em seu melhor aspecto: ajudar a promover a espiritualização por meio do trabalho árduo e honesto. E é justamente isso que estamos vendo enquanto acompanhamos as notícias sobre os EUA, a Europa e a Coréia. No entanto, entre todas essas reflexões uma me chamou a atenção essa semana. Três amigos próximos reclamaram sobre o mesmo assunto: as suas insatisfações no ambiente profissional. De formas diferentes cada um trabalha muitas horas, não é apoiado pela chefia, não tem suas ideias criativas e soluções ouvidas, são desvalorizados, ganham pouco, além de hostilizados pelos colegas, também infelizes, que travam uma concorrência desleal e desnecessária. Acordar cedo para ir trabalhar tornou-se o pior dos pesadelos, de forma que o final de semana tornou-se um bálsamo capaz de nutri-los até às 17h da sexta-feira seguinte. Mas porque diabos precisamos viver tão mal no trabalho? Quando Plutão chega para romper é porque a estrutura já está tão velha e desgastada que não para mais de pé. Se nossa rotina profissional é tão massacrante porque continuamos com as mesmas práticas diárias? Uma reflexão importante a se fazer nessa hora é: Será que trabalho com o que gosto? Porque trabalho neste lugar e não naquele? Será que meu salário paga minha paz de espírito? Quanto do meu ordenado é um excesso com o qual já me acostumei? Passamos oito, nove, dez horas no trabalho. E mesmo sem tocar no assunto em casa, entre esposa, marido e filhos, dividimos silenciosamente com eles essa frustração. Precisamos repensar sobre o que estamos fazendo e não repetir com os outros a mesma dinâmica  enfadonha que vivemos diariamente. Se alguém no local de trabalho não decidir refletir e propôr mudanças correrá o risco de afundar junto com esse velho e enferrujado Titanic. Quem sabe a passagem de Plutão sobre Capricórnio faça morrer e nascer uma forma nova e mais humana de produtividade e torne o ofício algo mais nobre e respeitado. Hoje e amanhã paira no céu a Lua em Touro, signo do trabalho, dias especiais para pensarmos sobre o assunto.
Aline Maccari


*Os posts são publicados diariamente no site da Astróloga e no Facebook. Se você gostou compartilhe sem se esquecer de preservar fotos e vídeos propositalmente ao conteúdo, além de citar a fonte: A Astróloga.com.br

2 comentários :

  1. Enfim, bons tempos para renascer!
    Que todos tenhamos, então, o esclarecimento necessário para uma mudança responsável em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que você tenha sorte no amor e no trabalho, na família e na saúde! Que Plutão te esqueça! ahahha! Love U :)

      Excluir