sexta-feira, 4 de março de 2016

O retorno de Saturno

E então? Você está passando pela famosa curva de Saturno? Período entre nossos 28 e 30 anos....quanta transformação! Foi à partir desta idade que Buda saiu de casa em peregrinação na busca pelo "si-mesmo" e Jesus Cristo teria começado a pregar. É como se este fosse um marco da entrada da vida adulta e talvez o mais importante. Conheça o significado mais amplo desta fase entendendo a melhor forma de encará-la.


Poderíamos dizer que politeísmo e monoteísmo são "criações mentais coletivas" que trazem sentido à vida psíquica do sujeito e como código se alastram e regulam comportamentos em níveis consciente e inconsciente. É como se todos acordassem de tempos em tempos que as coisas devessem ser entendidas segundo uma nova ordem. No entanto, na "ordem" da psique, nas profundezas da mente, os mecanismos de entendimento desses processos são os mesmos desde os tempos sem princípio. Na antiguidade clássica Saturno era conhecido como o deus do karma. Entre os cristãos o Deus temido se apresenta em vários momentos bíblicos, da Gênese a Jó.
Esse medo que os deuses suscitam em nós é histórico e em muitos momentos incompreensível. No entanto, se lidássemos com menos medo, mais respeito e sabedoria talvez começássemos a compreender com mais clareza o deus que nos habita e nos assombra. Aquele mesmo "deus", em nível simbólico, da antiguidade até hoje, à pós modernidade.
Réia, a rainha e esposa já não aguentava mais ver os filhos sendo devorados pelo maridão. Num golpe de mestre ela entrega uma pedra para o marido, no lugar de Zeus o último babe recém nascido. Quando ele engole a pedra põe para fora todas as crianças devoradas e tem o "reino" tomado da mesma forma que um dia tomou. Moral da história: quanto mais você fugir do destino mais ele irá atrás de você meu chapa!

Saturno era Chronos na mitologia grega, conhecido como o senhor do tempo. Na cosmologia antiga ele é filho de Urano (o céu) e Gaia (a terra). Dessa linda união que pariu o mundo, surgiram vários titãs e com eles Saturno. Ele e os irmãos representam as forças iniciais da vida no universo. Eles detinham tanta energia que nos dificulta compreender sua imensidão. Dentro desses princípios nasceu nele o do limite. Foi Saturno quem com sua foice capou o pai, impedindo-o de fecundar a terra indefinidamente. Da última gota de sêmen de Urano, caída nas águas do mar, nasceu Afrodite ou Vênus, a deusa do amor. Há quem diga que o tempo em que Saturno reinou, após o destrono do pai, foi conhecido como a Era de Ouro, onde as pessoas viviam dentro de princípios dignos e nada lhes faltava. No entanto, como reza a lenda e o destino, Saturno foi se tornando tirano. Como se os filhos conseguissem de alguma forma ser absolutamente diferentes dos pais. Receoso de que seus herdeiros fizessem os mesmo, tirando lhe o poder, Saturno devorava os filhos, um a um, à medida em que iam nascendo. Cansada de ver seus filhos sendo devorados, Réia, a rainha, decidiu impedir as investidas cruéis do marido. E no lugar de Zeus (Júpiter), seu filho mais novo, Saturno engoliu uma pedra. Nessa reviravolta mitológica o rei regurgitou os filhos de volta. E como quem mais deseja fugir do destino acaba sendo encontrado por ele, Saturno foi destronado pelo caçula, perdendo a majestade.

A foice é um símbolo de Saturno. Ela corta, castra, poda.  Mais que um planeta ou um mito, Saturno é uma realidade psíquica diria Carl Gustav Jung, o pai da psicologia arquetípica.

Compreender a simbologia mitológica que cerca a história de Saturno não é um prazer alegórico, mas uma abertura para uma compreensão psicológica mais profunda de como os deuses agem dentro de nós. Porque o Saturno da mitologia clássica não é diferente do Saturno que nos devora durante a vida. As histórias mais antigas do mundo são verdades confusas, estranhas e vitais a cada um de nós, independente do tempo e do espaço. É o que C. G. Jung chamou de psicologia profunda ou arquetípica.  Isso é sentido na pele, em cada um de nós, pelo menos uma vez na vida. Aliás, sortudos são os que são inqueridos por Saturno apenas uma vez, pensariam alguns. Mas, ainda mais sortudos são aqueles que tem o privilégio de tê-lo como mestre ainda mais vezes na vida. Digo isso porque Saturno precisa de defesa, apensar de ser grande o suficiente para se defender sozinho da má fama. Mas, a questão é que nós somos jovens demais para compreendê-lo. E esse velho, precisa ser devidamente apresentado. Numa sociedade que vangloria a juventude a todo o custo, enclausura e desvaloriza os idosos, há qualquer coisa fora da ordem que a sabedoria do mundo sempre teve. Em qualquer manual de astrologia Saturno é o velho, o kármico, o professor, o cobrador. Ele é aquele que pode ensinar da pior maneira possível. É o que nos atormenta, restringe, dificulta, censura, limita e por isso entristece. Quem traz consigo o planeta Saturno no mapa natal ou planetas importantes como Sol, Ascendente, Lua ou Vênus em Capricórnio, signo regido por Saturno, sente ou sentirá em sua história pessoal essas qualidades como se fossem suas. Como se essas pessoas restringissem outras ou como se a vida os restringisse. Quem tem Saturno em posição de destaque no mapa natal pode ser um Saturno na vida real.

Saturno nas casas do mapa astral, nas áreas da vida

A castração saturnina será sentida em cada casa do mapa natal de uma forma diferente. E não precisa se achar  o último dos mortais. Todos nós temos Saturno em alguém lugar. Ou seja, todos nós temos um abacaxi para descascar. E nessa hora, meu caro, ninguém é melhor que ninguém.

Saturno pode estar em qualquer parte do nosso mapa. Quem o têm no Ascendente sente suas restrições na forma de agir. Como se o sujeito encontrasse bloqueios durante a vida, como se as coisas não fluíssem livremente. Como o Ascendente é também a manifestação do corpo físico, Saturno nesta posição pode significar nascimento difícil ou corpo físico restrito, tomado desde um cansaço que nunca acaba, cheio de dores até dificuldades de locomoção. Saturno na casa 4 assinala dificuldades no lar, com o pai principalmente, carregando um certo remorso pelas dificuldades apresentadas pela vida tão cedo. Na 7, casa dos relacionamentos, pode significar abandono, aridez no casamento ou fracasso em sociedade. Na casa 10, pode dificultar a ascensão profissional, como se alguém ou as circunstâncias não deixassem o sujeito ganhar o tão sonhado lugar ao sol. Como se a profissão fosse seu maior impasse. 
Como se vê, Saturno é pedra no sapato do mundo inteiro. A questão é que geralmente não falamos sobre nossas limitações, sobre aquilo que nos puxa para baixo, nos deprime, nos atrapalha, ou seja, sobre nossas impotências. Em tempos de redes sociais, tudo o que se vê são máscaras, Jung chamaria de Personas. Um único lado de muitas histórias. Geralmente o que é público é evidente em Júpiter, todas as nossas viagens e investidas de sucesso na vida que são exibidas como se os dias fossem feitos apenas disso. Geralmente não mostramos nosso Saturno publicamente, é mais comum vê-lo em ambientes privados. E é por isso que precisamos falar dele. Porque ele é o que melhor escondemos, às vezes muito bem escondido até de nós mesmos. 

O retorno de Saturno

Os antigos alquimistas transformavam chumbo em ouro. Uma alegoria que traduz a tentativa do homem de transformar seus aspectos menos conscientes em mais conscientes, de ser menos primitivo e mais evoluído. Nesse processo natural de evolução espiritual Saturno só é demônio para quem teme a autoridade. Todo o processo evolutivo exige um mestre guia. E Saturno é o cara! Dentro de você! Em várias fases da vida.

Cada planeta tem sua órbita. Como a astrologia trabalha sob a perspectiva do heliocentrismo, a Lua leva 28 dias para dar a volta completa. Saturno, como uma oitava acima, leva de 28 a 30 anos para dar a sua. Foi à partir desta idade que Buda saiu de casa em peregrinação em busca do "si-mesmo" e Jesus Cristo teria começado a pregar. É como se este fosse um marco da entrada na vida adulta e talvez o mais importante.
A questão é que Saturno é a maturidade em si. E todas as vezes em que ele (em trânsito) forma um ângulo de 90º graus (em relação ao Saturno natal), ele produz um novo marco. Aos 7 anos de idade perdemos todos os dentes da boca e formamos uma nova dentição, a do adulto. Nessa idade a criança sai do colo da mãe e começa a se identificar com o pai. São as estruturas, em forma física (os dentes) e em forma psicológica e social (o pai) que são apresentados à criança nesta fase da vida onde ele já não pode ser tratada mais como um bebê. Aos 15 anos de idade, na primeira oposição de Saturno (de trânsito) ao Saturno (natal) que as moças são ou pelo menos eram apresentadas à sociedade por meio das festas de debutante. A menina, que já havia menstruado pela primeira vez, poderia ser futuro par perfeito do jovem rapaz que a conhecesse naquela noite. Mais um rito de passagem, a legalização da maioridade, chega com os 21 anos de idade, com a formação plena do Ego, fase que coincide com a formação profissional e a segunda quadratura de Saturno. Aos 28 ou 29 anos e meio temos então a volta completa, quando o sujeito se torna de fato adulto e vai para o mundo com responsabilidades reais e demandas espirituais. Nesta fase Saturno, que passa completando aniversário (pois fez a volta completa), imprime sua maior e mais séria lição. Se o sujeito fez o que deveria ter feito durante esses 29 anos, Saturno pode passar como camarada, coroando-o com o fluir da vida, deixando que o sujeito continue seguindo seu caminho, sua missão. No entanto, se o sujeito mentiu para si mesmo, fez de conta que a vida era muito mais fácil do que parecia ou não respeitou seus próprios limites, Saturno não o perdoará. Nessa hora, durante cerca de um ano meio até dois anos, pode-se sentir os efeitos de um Saturno opressor, moralista, castrador, trazendo contas pesadas a serem pagas e nos restringindo de todos o tipo de recursos para poder pagá-las. Nesse "golpe da vida", o sujeito tem a penosa, porém abençoada oportunidade de rever suas escolhas, máscaras e seguir com mais dignidade e verdade pelo restante do caminho. Negando Saturno, o sujeito se deprime, se entristece, se amedronta e pode paralisar. O único e maior crime nesse processo é zombar da "face temida de Deus". Saturno é uma autoridade psíquica, não está de brincadeira. É o chamado para a vida adulta. Ele não é apenas o senso regulador e a moral do mundo, mas o seu regulador interior. O seu mais profundo mestre, professor. Nessa fase há quem adoeça, perca os pais, se divorcie, leve um tombo na vida profissional... um golpe que pode deixar o sujeito desnorteado, sem chão. Após os 30 anos, ninguém mais será criança. A intenção é essa: educar e amadurecer. E quem teimar pelo caminho será atormentado por novas oposições e quadraturas saturninas, até se endireitar. 

Saturno e astrologia

Saturno na astrologia é o planeta regente do signo de Capricórnio. Pessoas
capricornianas ou com aspectos desafiadores em Capricórnio tendem a
sentir fortemente as qualidades do deus Saturno em si. Se essa é uma 
possessão arquetípica? Talvez possamos dizer que sim. Para a psicologia de 
Carl Gustav Jung nós vivemos e morremos por nossos deuses interiores.
Maléfico, essa é a má fama de Saturno. Dever, responsabilidade, forma, estrutura, estabilidade, tradições culturais, sociais, família enquanto nome e legado, autoridade, princípio do tempo quantitativo, preocupação, sabedoria temporal, paciência, economia, conservadorismo. Ele é Chronos (tempo) que distribui imparcialmente e impessoalmente o que é justo. Impiedoso ele representa cristalização, rigidez, cautela, ceticismo, moderação, ordem, eficiência, sabedoria, segurança, ambição, limitação do Ego. Saturno de forma isolada e fria, sem amor, ou seja, sem compreensão profunda, é a própria rigidez, a negatividade e a morte. Para Sigmund Freud é o superego, tudo o que carregamos como legado familiar e social, que pode nos oprimir e controlar, nos afastando de um eu verdadeiro. Para Carl. G. Jung é a sombra, que nos faz sentir culpados, bloqueados e que nos leva a projetar qualidades nefastas nos outros, como se não conseguíssemos ver o que há de nefasto em nós mesmos. Saturno no mapa de nascimento, sendo estudado pelo signo e casa que ocupa, nos faz sentir que não podemos ser tudo aquilo que sonhamos naquela área específica da vida. 
O que Saturno impõe é uma lição de humildade acima de tudo. Momento
de perceber limitações e dificuldades reais. Isso aos 29,  44 , 59  e 73 
anos de idade. Aproveitemos um momento de tristeza ou depressão não 
para fugir dessa realidade, mas para mergulharmos nela e percebermos o 
que há de verdadeiro e essencial em nós.
É como se ele restringisse o plano físico (a realidade da vida que nos cerca) ou a vida emocional, para desmascarar e induzir nossa evolução espiritual. Aliás, será que ambas andavam juntas? Geralmente o plano espiritual está muito aquém das nossas realizações terrenas. No tipo de sociedade que inventamos a vida material, a sobrevivência fala mais alto. E como fica a sobrevivência do Self, do "si-mesmo", da parte divina e essencial em nós? O chamado de Saturno é profundo e interior. Só quem responder a ele com disciplina, respeito e seriedade para ir além da matéria, das aparências, e poderá ver nascer outros níveis de evolução da alma.


O que fazer com Saturno?

Saturno em nossas vidas pode significar sempre uma âncora nos puxando para baixo. Essa é uma sensação muito comum.  A questão é que estamos vivendo uma crise de autoridade há muitos anos. Num tempo onde era mais comum uma certa disciplina pessoal, familiar e social, Saturno não era tão temido. Afinal, ele faz parte da vida. Estamos vivendo um momento muito especial em nível astrológico. Plutão, deus das profundas transformações, de morte e renascimento, está sobrevoando Capricórnio, signo regido por Saturno, desde de 2008 e ficará por lá até 2024. Especialmente nesse período nos parecerá que o mundo perdeu as rédeas e nós também. Talvez esse seja o tempo mais apropriado para refletir Saturno e entender que autoridade não é algo desnecessário ou castrador. Muito pelo contrário. Basta ver uma criança que cresce sem a educação responsável dos pais. Na vida adulta, tudo o  que ela mais sentirá falta será dos limites que nunca teve.


https://www.youtube.com/watch?v=fHljSchtVIQ
Em Star Wars Saturno aparece nanico e orelhudo na pele verde do Mestre Yoda. 
Desaprenda tudo! E sinta a força Luke Skywalker!

*Os posts são publicados diariamente no site da Astróloga, no Facebook e no Instagram. Se você gostou compartilhe sem se esquecer de preservar fotos e vídeos propositalmente relacionados ao conteúdo, além de citar a fonte: A Astróloga.com.br

Nenhum comentário :

Postar um comentário