segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Sol em Capricórnio

O Sol entra no signo de Capricórnio, nesta terça-feira, 22 de dezembro e fica até o dia 21 de janeiro de 2016. Com Plutão em Capricórnio são enormes os desafios para os nativos deste signo.

O verão começa nesta terça(22) na república tupi. Enquanto nos preparamos para viagens, praias e muito sol outro cenário é realidade no hemisfério norte. Lá, onde foi formatado todo o sistema astrológico, é o começo da estação mais gelada ou o solstício de inverno. Uma data que varia entre os dias 20, 21 e 22 de dezembro. Na mitologia antiga, até esse período, os deuses desciam aos subterrâneos, às entranhas da Terra e então finalmente regressavam. Simbolicamente, a jornada inconsciente individual foi alcançada através do contato com o inconsciente coletivo.
O bode-peixe é uma figura antiga dos tempos da Babilônia. O primeiro "deus sol" a se identificar com esta imagem foi Éa,  na mesopotâmia, depois os egípcios antigos...
É quando há uma transformação significativa, onde o EU é reconhecido pelo sujeito que se torna pleno, completo e íntegro. Este é o motivo pelo qual alguns deuses fazem "aniversário" no solstício de inverno. Em várias culturas eles são conhecidos como "o deus sol". 
Vesta, a deusa do fogo interior que
representa a busca pelo EU.  O "deus
sol" simboliza o encontro consigo mesmo.
Uma data muito importante, desde os tempos sem princípio. Adaptada da mitologia pagã alguns estudiosos afirmam que os cristãos reservaram a data para a celebração de seu deus solar: Jesus Cristo. Este período do ano tem a regência do signo de Capricórnio que originalmente é representado pela cabra com rabo de peixe. Um símbolo difícil de entender. Na Babilônia Antiga o deus Éa  regia as águas que fertilizavam a terra e era representado por um homem com pele de peixe, também confundido com o antílope do oceano subterrâneo. Na arte mesopotâmia os antílopes são geralmente representados alimentando as folhas da "Árvore da Vida". E da mesma forma que Éa era o pai da civilização, Capricórnio também se tornou um pai. No Egito antigo, dia de Sol de Câncer e Lua Cheia em Capricórnio era sinal de abundância para a pesca que garantia mesa farta por muito tempo. Daí a associação da cabra novamente com o peixe. Já para os gregos antigos a cabra era Amaltéia, a que amamentou Zeus enquanto Réia preservava o filho das garras tiranas do pai Saturno (Chronos). Como prêmio, Amaltéia teria ganho uma constelação só para si, a de Capricórnio. Ninfa da cintura para cima e cabra da cintura para baixo, a figura era irmã de Pã, da família dos sátiros. por muito tempo foi a representação do diabo nas cartas do tarot, por sua lascívia e liberdade sexual. Daí a palavra satiríase ou satiromania ser utilizada para diagnosticar aqueles que sofrem do vício pelo sexo. 
Pã é um sátiro, um outro caprino que fugindo de alguma repreensão correu para as águas e nadou até a outra margem também com rabo de peixe. Pã é uma das sombras de Capricórnio, seu lado instintivo e físico.
Na Grécia antiga Capricórnio não era o sujeito austero que conhecemos, mas uma figura que representava o desejo sexual. Na Roma antiga, em sua homenagem, era promovido um festival conhecido como Saturnália, período em que as regras era temporariamente esquecidas e a permissividade era permitida.  Os capricornianos que conhecemos hoje são bastante reservados, mas guardam até hoje uma sexualidade velada e primitiva, um quê de selvagem, como lembrança de Pã.
O período do ano simbolizado por Capricórnio representa o afastamento invernal, a introspecção, ao mesmo tempo a sexualidade latente e também o renascimento espiritual, com forte senso de propósito na vida. Para nós, 3.000 anos depois, é um tanto difícil entender como a sexualidade e o renascimento espiritual podem estar associados.
Saturno, planeta regente de Capricórnio ganhou uma homenagem dos romanos conhecido como Saturnália. A festa era uma celebração pagã que geralmente acontecia em dezembro. 
Na mitologia grega Vesta ou Héstia, a deusa do lar, guardião do fogo sagrado, tomava para si todas essas qualidades e desafios. As sacerdotisas conhecidas como as virgens vestais, e que se tornaram celibatárias, uma vez foram as "prostitutas sagradas", devotas a cerimoniais. Enquanto Vesta e Saturno são os arquétipos mais rígidos de Capricórnio, Pã e Amaltéia são sua sombra, carregados de desejos primitivos associados à liberdade e à sexualidade. Assim, o controle e o auto-controle são um dos temas principais na saga capricorniana.
No topo do céu e da mandala astrológica, no auge da vida pública, ele representa o domínio das forças do EU sobre o primitivo. Ele é a civilidade, a coerência e a moralidade. Mal interpretado Capricórnio ganhou fama de rígido e obstinado. Mas, em posição de destaque social, ele representa a ordem em detrimento do caos humano, das paixões, desejos e instintos. 
Na mitologia grega Saturno devorou os filhos. Na
vida real ele também pode ser um grande desafio.
Uma missão nada fácil para Capricórnio que, para dar exemplo, pode se privar de uma série de situações, sendo a responsabilidade em pessoa. Afinal, alguém tem que dar o exemplo. Por isso ele é conhecido como o frio, o distante, o materialista e o perfeccionista. Na astrologia tradicional Capricórnio tem a regência de Saturno, o deus do karma, o cobrador, o que dificulta e restringe, aquele que arrancou os testículos do pai Urano que não parava de povoar a terra. Quando assumiu o trono foi rei por muitos e muitos anos, com soberania e firmeza, período de muita fartura. Receoso em perder o trono como um dia ele fez com o pai, Saturno devorava os próprios filhos. No entanto, o destino lhe pregou uma peça e ele que derrotou o pai, um dia foi derrotado pelos filhos. É quando Zeus ou Júpiter assume o Olimpo. É por isso que a relação entre pai e filho é tão complexa.  Assim como as relações de poder. A mitologia conta tais histórias. O pai geralmente "devora os filhos", os ensina, os instrui até um dia ser superado por eles. Quem tem aspectos importantes em Capricórnio ou Saturno no mapa natal enfrenta fortes desafios com o pai. Capricórnio também representa "o pai" coletivo, como a sociedade, a igreja, a educação e a herança familiar. Compreender a mitologia de Saturno é compreender parte do temperamento capricorniano. 
Saturno, regente de Capricónio simbolizado como
"o sábio".
A dor de não ter tido um pai presente, sem apoio, suporte, estrutura e atenção é um dos temas mais importantes no signo, principalmente quando mal aspectado. É por isso que quem tem Ascendente ou Lua em Capricórnio, por exemplo, pode satisfazer seu desejo de nutrição à partir de um projeto, um trabalho ou um emprego. Os capricornianos ou pessoas com aspectos importantes no signo podem sentir uma profunda solidão ou entender que a vida lhes trouxe desafios intransponíveis. Um estímulo involuntário à busca pelo EU interior. Na intenção de cumprir seu destino solar, Capricórnio sobe ao alto da montanha em busca do encontro consigo mesmo, de seu propósito e do êxito, pessoal e profissional que representa tão bem seu lado social. Atualmente os nativos do signo ou pessoas com aspectos importantes em Capricórnio estão enfrentando um desafio gigantesco. É que Plutão, planeta de morte e renascimento, está sobrevoando o signo. Aliás, será um período longo de 2008 a 2024. Nesta fase tudo o que é representado por Capricórnio como estruturas, sistemas financeiros, governos, dívidas, moralidade e responsabilidade, nos níveis social, coletivo ou individual será chamado a uma profunda transformação. Em momentos de desespero os capricornianos devem se lembrar que moram no alto da montanha e que por estarem mais perto do céu podem contar com a ajuda divina. Para isso será preciso acreditar. Mas aí é outro capítulo. 
Aline Maccari
*Os posts são publicados diariamente no site da Astróloga e no Facebook. Se você gostou compartilhe sem se esquecer de preservar fotos e vídeos propositalmente relacionados ao conteúdo, além de citar a fonte: A Astróloga.com.br

Nenhum comentário :

Postar um comentário